Linus Torvalds vai morrer

Essa verdade nem ele ignora. Morrerá um dia, bem morrido, definitivamente, e seu amado kernel ficará no mundo para ser tocado por uma outra pessoa.

O mundo está cheio de pessoas inteligentes, que não sabem como suas ideias prosseguirão depois que partirem deste mundo, porque não poderão mais influenciá-las e mantê-las inalteradas. Aí partem para a solução comum: procurar um “herdeiro”.

E isso deixa nosso ditador benevolente e perpétuo muito angustiado. Ele procura um líder que siga seus passos e implemente sua forma de ver as coisas, em vez de discutir qual os caminhos possíveis no seu desenvolvimento.

Recentemente tivemos a triste notícia de que Sarah Sharp abandonou a equipe de desenvolvimento do kernel, denunciando um “ambiente tóxico” nas relações interpessoais da comunidade que participava. Igual destino tomou Matthew Garrett.

Continuando com o exemplo do kernel, se ele será sempre monolítico ou descambará para o famoso “micro kernel”, ninguém pode afirmar com certeza. Mas mudanças ocorrerão, sem a menor dúvida, e ignorá-las é dar um tiro no próprio pé.

Discussões à parte, será que estas tendências impactam no dia a dia de um usuário de computador? Pergunte a você mesmo: “o tipo de kernel faz alguma diferença para mim”?

Se a resposta for “não”, estará no grupo de usuários que não se preocupam com o tema, relegando-o aos fóruns de escovadores de bits. O roda roda, o mundo gira e não há com o que se preocupar se tudo funciona maravilhosamente bem.

Mas talvez faça toda a diferença se o seu trabalho for influenciado – e muito – por um ou outro. Aí sim deve ficar atento… e antecipar-se, descobrindo onde terá de mudar para que continue vendendo seu trabalho. Pois sua criação não será eterna e também mudará com o tempo.

Sim, porque se você não o fizer, alguém o fará, e melhor. Ninguém esperará sua adaptação a uma realidade imprevista, no passado, mas “sentida” nos tempos atuais, quando está à disposição informação abundante sobre o assunto.

O mote da vez é: sonde o futuro, tente descobrir onde estaremos e o que faremos com o linux e seu ecossistema, e antecipe-se a eles. Descubra o que seus usuários pensam e modifique o seu produto ou serviço, de forma a atendê-los melhor do que antes, para quando Linus Torvalds morrer.

Comportamento, linux , , , 17/10/2015 09:53 3 Comentários

Antonio Carlos V. da Silva

Antonio Carlos V. da Silva

Apenas um latino americano, sem dinheiro no banco, sem parentes importantes e vivendo no interior.

Outras publicações do autor (12)

3 Comentários

  1. ivan disse:

    Eu acho que trabalhar no kernel deve ser algo rotativo … não considero grandes perdas ao projeto, sendo que o mesmo já se consolidou e abre portas para outras pessoas geniais.

  2. Fábio disse:

    Acredito na livre iniciativa – se alguém se mostrar merecedor, acabará sendo incorporado. Rodar a equipe por rodar não me parece agregar vantagem.

    Agora, se o kernel vai continuar monolítico ou vai quebrar, eu faço duas apostas: 1) vai continuar monolítico, porque se alguém tivesse uma boa idéia para microkernel, que fosse vantajosa, já teria implementado e teria sua quota de seguidores; 2) tal como Einstein atrasou o desenvolvimento da Mecânica Quântica em 30 anos, é bem provável que Torvalds atrase a evolução do kernel. Neste caso, quando Torvalds sair definitivamente de cena, talvez alguém ganhe coragem para apresentar uma outra idéia – mas no final sempre teremos o kernel como é hoje, e outro, nunca um morre e outro segue. Lembrem-se: FOSS não morre, é versionado, taggeado e refatorado para a próxima versão. 😉

  3. Felipe Tonello disse:

    Com certeza Linus tem um grande impacto no Kernel. Se ele se for, o Kernel pode sofrer um pouco no sentido de grandes empresas tentarem tomar a rédia do projeto. Agora, se vai terminar o desenvolvimento, com certeza não.
    E se aparecer algo melhor por aí? Bom, assim como o próprio Linus diz, desde que seja GPL estou feliz.

    Agora, sobre a Sarah Sharp e o Matthew Garrett saírem da comunidade: poxa vou chorar muito! Eles parecem que nunca trabalharam numa empresa de verdade, onde você precisa engolir sapo toda hora. Se não gostam da comunidade, que saiam, quem se importa?

Deixe seu comentário

Website