056 Plugin da Caixa no Linux

opencast_episodio_56

Este episódio quase sofreu com o problema do episódio do openSUSE e estava difícil de sair, mas desta vez conseguimos vencer todos os problemas e o episódio enfim saiu. Depois de começarmos a gravar em uma quarta-feira, continuarmos na quinta-feira e no domingo, finalmente consegui começar a editar uma semana depois para lhes presentear com mais um episódio recheado de novos comentários sobre acontecimentos do mundo do software livre pelo mundo.

Finalmente nossa loja está no ar e é diferente da maioria das lojas de outros podcasts pois não vendemos camisetas e canecas, vendemos tudo que tenha relação a informática, incluindo computadores com Linux pré-instalado. Qual loja online, relacionada a sites e podcasts, que vende materiais e equipamentos de rede? Só a nossa. Corre lá e aproveita o cupom de desconto “OPENCAST”, sem as aspas para ter 7% de desconto. Aproveita e se cadastra para receber no seu email novas promoções exclusivas. Só para fixar melhor, nosso endereço é loja.tecnologiaaberta.com.br.

Se você é do Rio Grande do Sul ou Santa Catarina e precisa de serviços de cabeamento estruturado, câmeras de segurança dentro do padrão de cabeamento estruturado, nobreaks(venda e manutenção), som ambiente, equipamentos de informática de padrão corporativo ou ainda consultoria na área de T.I., não deixe de entrar em contato com nosso patrocinador Dataware pelo telefone (54) 3712 0177.

Links do episódio

Twitter: @tecnologiaabert

Facebook: http://www.facebook.com/tecnologiaaberta

Google+: Tecnologia Aberta

Instagram: @ubunterobr

Youtube: Tecnologia Aberta

E-Mail: opencast@tecnologiaaberta.com.br

Feed do Opencast: http://tecnologiaaberta.com.br/feed/opencast/

iTunes: http://itunes.apple.com/br/podcast/id424732898

Créditos das músicas usadas neste programa:
Josh Woodward

Opencast , , , , , , , , , , , , 06/11/2015 00:11 16 Comentários

16 Comentários

  1. Tarcisio disse:

    Conheci o site pelo phls citado no fim do casting e já assinei o feeds, muito bom, parabéns.

  2. Sugiro como pauta (e já sugeri no hack’n’cast, então ganha quem sacar primeiro, hehehe) um episódio com um exercício de futurologia: Como ficará o software livre sem o teoria-da-conspiração-que-estava-meio-certo Richard Stallman e o Kernel do Linux sem o ditador benevolente mas controverso do software livre, Linus Torvalds.

    • Everton Melo - TA disse:

      valeu pela indicação.

      estamos alguns temas aguardando apenas um horário adequada da agenda,
      alem de que qq. prospecção sobre tecnologia pode falhar, vejo que essa cast pode ser contato a médio prazo, ou alguma retrospectiva com prospecção.
      saber quais são as tendencias de agora leva pouco tempo de pesquisa, agora as do futuro exigi muito tempo de pesquisa e revisão, coisa que nao temos no momento.

      obs: Os podcast de tecnologia não competem entre si, somos poucos, vejo que podemos ter sucesso, independentemente do insucesso alheio. Eu mesmo conhece o Magnum o host do h’n’Cast.. sempre comento la.. pois vejo que o público dele aumentar é por métido do trabalho dele, como os casts são a cada 15 ou 30 dias no meio do caminho alguém vai esbarrar no OpenCast.. ai tem certeza que virá pra ficar.

      grande abraço.

  3. Felipe Tonello disse:

    Gosto muito do podcast. Nem sempre concordo com tudo falado, mas acho legal a discussão e o engajamento da comunidade de software livre brasileira.

    Porém gostaria de citar duas erratas:
    * Não sou usuário Ubuntu, mas testei num computador de um amigo e Ubuntu ainda usa compiz como ‘compositor’. Só checar com “ps aux | grep compiz”.
    * Sobre as listas de discussão do Kernel, eu acho que vocês comentaram muito sem ter o mínimo de experiência no processo de desenvolvimento do Linux, o que é inapropriado. Eu sou programador Linux faz alguns anos e participo ativamente em algumas das listas (LKML, linux-usb, alsa-devel e linux-bluetooth) e na minha opinião o que a Sarah fez foi baboseira (ela provavelmente queria seus 5 minutos de fama). O nível de discussão lá é *altamente* técnico, e como em qualquer outra empresa ou comunidade, as pessoas se desentendem ou muitas vezes tem senso de humor diferente do seu. A beleza disso tudo é você pode ser você mesmo sem medo de ser feliz ;), porém tem de ser mente aberta e aceitar críticas ao seu trabalho. É importante lembrar que o Linus muitas vezes precisa ser curto e grosso por causa do ambiente ao qual o Linux é desenvolvido. Imagine se ele tivesse uma personalidade fraca e fosse facilmente manipulado, muitas empresas já teriam tomado conta do projeto. Um pouco de história sobre a FSF e o Linux ajudam a entender as coisas melhor. Outro detalhe é que críticas fortes são feitas às pessoas que já tem experiência e por isso seria inaceitável certo trabalho dessa pessoa, isso não acontece à novatos.

    Abraços.

    • tecnolog disse:

      Olá Felipe!

      Ótimo que não concorda com tudo o que falamos, a ideia é levantar as discussões mesmo.

      Sobre o compiz, me expressei errado, o que quis dizer é que querem os efeitos do compiz e quando começam a usar isso o sistema vai morro a baixo.

      Da lista do kernel, eu(Ivan) acho que foi puro mimimi da Sarah também, o Diego acha que ela tem um pouco de razão.

  4. Hugo Rosa disse:

    Olá! Acabei de chegar… novo ouvinte para vocês… caramba, muito assunto de uma vez, vou ter que ouvir de novo enquanto escrevo meus comentários. Por enquanto, vou comentar só sobre o Youtube Red.

    Você comentaram sobre o Netflix, mas acho que existe outro player nesse jogo que deve ter feito a Google agir. Caso não conheçam vejam o Vessel: https://www.vessel.com/

    Muitos dos meus canais preferidos em inglês claro, migraram para lá, você paga uma taxa, para ter acesso a conteúdo exclusivo, ou melhor, que vai sair no YouTube depois, mas esse depois pode demorar bastante.

    E muito dos canais que eu assino usaram a mesma justificativa, a monetização do YouTube não é tão eficiente.

    Ou curiosidade, é que num passado muito distante (mas nessa galáxia mesmo) os canais de YouTube tinham um RSS associado, que você podia assinar e ver junto com os podcast (videocast no caso), no lançamento da API 2.0 esse recurso foi cortado, obviamente atrapalhava o controle deles para exibição de propaganda.

    Por fim, os próprios youtubers e clientes podem dizer se o Google está indo pelo caminho certo, já que temos alternativas como Vimeo e Twitch.tv

    Parabéns pelo trabalho, eu ainda não tinha nenhum podcast de software em português na minha lista, apesar de ter 5 em inglês.

  5. Davi disse:

    Olá pessoal.

    Segundo episódio de vocês que eu ouço e segundo comentário! 😀

    Ainda estou ouvindo o episódio mas pausei aos 20 minutos para comentar: FPGA é uma tecnologia de dispositivos lógicos programáveis.
    O exemplo que citam de controle de motores é interessante, mas extremamente fora da realidade da maioria das pessoas. Eu, pelo menos, não pretendo controlar um motor usando um notebook. 🙂

    A sacada dessa tecnologia é você reprogramar o hardware.
    Basicamente, você rearranja os transistores do componente para realizar as funções que você precisar. Há alguns componentes, por exemplo, que permitem que sejam reprogramados como um processador ARM. Inception total.

    A aplicação de FPGAs está mais em computação embarcada mesmo por você estar num nível abaixo da micro-arquitetura, mas é teoricamente possível você desenvolver uma arquitetura otimizada para servidores web, por exemplo, e tratar uma requisição GET/POST a nível de portas lógicas.

    Outro exemplo de aplicação seria um roteador feito em hardware. Ao invés de ter um SO embarcado interpretando as tabelas de roteamento e processando toda a pilha TCP/IP, você implementa isso no hardware e consegue um equipamento estupidamente mais rápido.

    Como nem tudo são flores, os custos de uma solução dessa são proibitivos.
    Os micro-controladores mais “fraquinhos” são usados em Defesa (aplicações militares). Os mais-ou-menos são usados na indústria automotiva e aviação civil. Os top são usados em aplicações aeroespaciais.
    Totalmente outro nível. 🙂

    Ainda estou estudando o assunto (e provavelmente meu TCC será nessa área) e posso não ter sido tão claro, mas o básico é isso.

    • Diego T. disse:

      Concordo, a leitura da matéria foi um pouco confusa sim hehehe. Sei que existem FPGAs disponíveis para o público leigo que são superpoderosos sim, existem vários modelos que não são apenas “plaquinhas que tu liga na USB”… São placas volumosas que são espetadas em slots PCIe e tem dissipadores de calor de tamanho respeitável. E quanto a utilização… basta lembrarmos de que HW e SW são logicamente compatíveis, ou seja, pode-se implementar um computador antigo como o MSX num FPGA barato, montar protótipos de projetos, testar uma nova arquitetura de um chip novo, implementar em HW (sim, códigos de FPGA são HW e não SW) um algoritmo pesado… Até mesmo simular um computador quântico é uma coisa possível de se fazer em FPGA 🙂

  6. Voltando a comentar depois de um episódio fora. Vou direto ao que eu acho em relação ao kernel. O ambiente é aquele, gostando ou não. Da mesma forma que você é livre para entrar na comunidade, é livre para sair dela e procurar outra que esteja mais de acordo com o que se deseja. No caso dela, se ela foi tratada da mesma forma que outros, porém não gosta desta forma é o direito dela de sair. A única coisa é que isso deveria ser tão normal quanto uma pessoa nova entrando, não precisaria de holofotes.

    Em relação ao Flash, pela segunda vez tentei desabilitar o plugin no meu navegador, porém diferente da primeira vez, não desisti da ideia e reativei-o logo em seguida. Torço para que cada vez tenha mais incompatibilidades com ele, assim que os sites verem seus acessos caindo tomarão ações, como adotar soluções em HTML5. Porém se a Mozilla simplesmente abandonar o Flash, e o Chrome não fizer o mesmo, o Firefox apenas perderá fatia de mercado.

    O último sobre o episódio anterior, numa das palestras do FISL deste ano, foi anunciado que novas ligações de clientes já são obrigadas a receberem IPv6. Como meu plano de internet foi trocado recentemente e eles entregaram um modem novo, revolvi investigar. E realmente, além do suporte ao IPv6, ele estava recebendo um endereço válido, porém apenas na WAN, a configuração da operadora estava com o IPv6 desativado na LAN. Ou seja, eles até podem estar entregando IPv6, porém não estão possibilitando seu uso. Verifiquei em vários lugares da internet e no site da operadora, simplesmente não tem informações de qual rede, ou como deveria ser configurado a LAN.

    Agora os comentários deste episódio. Felizmente ainda não fui obrigado a instalar qualquer spyware .deb no meu computador para acessar minhas contas bancárias. A da caixa ainda continua dizendo que o ambiente não é suportado. Vou deixar o link de dois tópicos da lista da discussão do Debian sobre isso (https://lists.debian.org/debian-user-portuguese/2015/10/threads.html#00057 e https://lists.debian.org/debian-user-portuguese/2015/10/threads.html#00172). Aparentemente todos os bancos estão usando esse Warsaw, porém a versão de um banco é incompatível com a de outro, além de alguns sistemas apresentarem bugs depois da instalação, tanto no GNU/Linux, quanto no Windows, segundo os comentários dos tópicos.

    Com relação a operadora desligar a linha no poste, isso acontece não só ai. Em vez de resolverem o problema, quando está terminando o prazo de atendimento, eles trocam a linha com a de alguém que funciona, passando o problema para outro cliente, que em teoria para o primeiro foi resolvido. Apenas mais um exemplo da péssima qualidade do serviço que as operadoras disponibilizam, só neste comentário já foram dois.

    No mais torço para ter tempo de ouvir e comentar o episódio logo após sua publicação.

  7. Ricardo disse:

    Parabéns e vida longa ao Ubuntu! Não sou usuário (fico no debian mesmo) mas acho o projeto muito interessante e me entristece essa espécie de “Caça as bruxas” que o Ubuntu sofre de alguns xiitas que não merecem sequer ser nomeados.
    Quanto aos podcasts citados, sou ouvinte dos 4 primeiros e não ouço mais por falta de tempo. Alias, parcialmente por conta do Segurança Legal me tornei parcialmente paranoico e agora sigo todas as recomendações do http://privacytools.io e depois de assistir o “Terms and conditions may apply” tenho frios na espinha quando concordo com um termo de serviço (especialmente por que passei a lê⁻los)

    • tecnolog disse:

      Muito obrigado por ouvir o Opencast. Eu tento não ser muito paranóico com a segurança, vou até onde acho que necessário, mas as vezes passo do limite.

      Também costumo ler os termos de todos os serviços que aceito e acabo aceitando só quando não tenho opção mesmo, mas falo para todo mundo sobre tais termos.

  8. RenatoAraujo disse:

    Olá gostaria de fazer mais uma sugestão, sobre as criticas ao linus torvalds, sobre segurança no kernao qel, ue parece tem muita gente que ainda não entende o que é opensource, querem que o cara resolva os problemas do mundo…em fim, continuem com o podcast!obg

    • Everton Melo - TA disse:

      Renato fique a vontade para expressar as suas críticas..

      mas peço que alem de expressa-las, ajuda propondo soluções, isso torna o seu conhecimento mais vasto e o desconhecimento de quem não sabe ausente.
      Vou pular a parte do Linux, pois tem gente que ama/odeia ele, vejo que ele é uma pessoa muito competente, mas sua postura pessoal não ajuda muito, para quem ta de fora dos movimentos de software livre.
      Outro ponto é o Software livre em si, sempre divulgue o que ele se a pessoa quiser ouvir é claro, tem que pensa que SL ta restrito a Linux, mas existem soluções para todas arquiteturas e plataformas… enfatize que o SL é um soluções que tem pontos fortes e fracos, como qq outra solução viável, não precisa falar mal de nada, nem de ninguém para isso, esse é um erro que todos os iniciantes da tecnologias livres fazem.. nao caia nele.

      valeu pelo comentário, esse tipo de retorno que faz o Open cast continuar, mas além disso sempre que possível, divulgue a pessoas que voce conhece para que o nosso programa ajude a aumentar a cultura Open Source e talvez assim resolver alguns problemas do Mundo.
      att

Deixe seu comentário

Website