Radicais Livres

Neste vídeo eu comento um acontecido do Tchelinux de Porto Alegre 2017 onde tentei dar a voz ao movimento do Software Livre, mas o mesmo se negou a falar comigo.

Confere aí o vídeo que eu sei que vai dar o que falar.

Nosso projeto está no padrim.com.br. Visita lá e deixe sua contribuição.

Estamos nas redes sociais

Tecnologia Aberta TV , , , 15/12/2017 08:00 17 Comentários

17 Comentários

  1. Daniel Lenharo disse:

    Bom dia, Só queria dizer que este grupo não é toda a comunidade de Software Livre… são apenas algumas pessoas. Então, dizer que quem quer acabar com o movimento de SL é a própria comunidade. Você não pode julgar o todo por alguns.

    • tecnolog disse:

      Estava me referindo a um grupo específico mesmo, aqueles que gritam mais e, consequentemente, aparecem mais.

  2. Julio Lira disse:

    Sou novo no meio do Software livre, e cara… como poderíamos falar sobre o software livre, usando ferramentas não livre? como posso falar que o gimp é uma boa ferramenta se eu uso o photoshop? se eu uso o um blob nos meus códigos? isso é a coisa mais estapafúrdia que já ouvi, isso se chama hipocrisia… E EU FUI ATINGIDO E PASSEI A SER DA MOVIMENTAÇÃO LOGO APÓS DE UMA PALESTRA DIZENDO: NÃO USE LINUX, Assim q eu li o texto dizendo q haveria essa palestra , pensei em fazer perguntas para destruir essa palestra, mas após a explicação fiquei totalmente impressionado em tudo o que ele disse e simplesmente amei.

    • tecnolog disse:

      Me dê uma ferramenta de mesmo nível do youtube, do facebook, do instagram, do twitter!

      • Julio Lira disse:

        Quer uma ferramenta? encontrei sim correspondente ao Youtube, até a própria netflix, a redes sociais…e muitas outras, o grupo me dá as dicas e sim eu acho de alta importancia mudar e migrar, pq como disse Stellman:”Eu acho melhor nao usar ferramentas, do que usar ferramentas privadas”

    • Regis Tomkiel disse:

      Julio, tudo certo?
      Acho que está sendo deveras radical e que é esse o pensamento que o Ivan demonstrou no vídeo. Enteno tua indignação, mas não concordo. É preciso usar as ferramentas não proprietárias para promover as livres sim! Estaremos usando o sistema para promover e atrair mais interessados, senão, caímos na questão do meu outro comentário e ficamos eternamente em briga entre os poucos engajados.
      Comparar a utilização do YouTube com o Adobe Photoshop não me parece honesto, já que o segundo tem possível alternativa à altura, no caso o GIMP, mas o YouTube não. É nele que as pessoas estão, infelizmente, tanto que outras plataformas, mesmo proprietárias são imensamente irrelevantes.
      Desenvolver material de divulgação de Software Livre para livre divulgação, deveria ser o nosso principal foco, além do envolvimento nos eventos de mesma natureza. Como organizador de Tchelinux, vejo a falta de submissão de palestras de divulgação, ficando estagnados em determinados temas. Faltam palestras que cativam, instigam, promovem e que abracem o pessoal que está caindo de paraquedas. Sobra, muitas vezes, discursos inflados e pouco racionais.
      Sobre a minha palestra, eu nunca esperei um grande público ou que ela se tornasse definitiva. Criei num esforço de chegar em pessoas que estão acostumadas com determinados padrões e nunca se perguntaram o motivo. Fiz ela pensando naqueles que não se interessam por Shell ou licença, mas que poderiam, indiretamente, ajudar a promover, não como um ferrenho defensor, mas como um usuário…

      É preciso existir os radicais, mas é preciso ter pessoas que façam algo, que deixem a cara pra bater, que produzam conteúdo! O Tecnologia Aberta fez muito mais para divulgação do Software Livre, que muitos usuários do grupo citado pelo Ivan, jamais teriam disposição de fazer.

      Abraço.

  3. Dausacker disse:

    Minha versão do fato: Em NENHUM momento eu disse que a palestra teria como foco somente as pessoas que já usam software livre e já conhecem o Movimento Software Livre: os fatos foram distorcidos.
    Quem me conhece sabe que eu foco EM USUÁRIOS INICIANTES, pois entendo a importância que é falar sobre o Movimento Software Livre a todas as pessoas, principalmente para quem o desconhece.
    Sobre a exigência de que a palestra fosse disponibilizada em mídias e formatos livres, reafirmo, pois promover software livre usando software não livre é incoerente. Educa-se pelo exemplo.
    Sobre a “intervenção durante a palestra sobre edição de video”, fiz uso desta liberdade porque o palestrante assim me permitiu, uma vez que ele conduziu a exposição dele de maneira interativa com o público. Entendo que foi necessário meu comentário, uma vez que ele havia dito que fazia edições de video no linux (linux é um kernel, não um editor de vídeos) e desta forma a informação estaria sendo passada de maneira distorcida para a plateia.
    Repito: meu foco é sempre nos usuários que querem conhecer o Movimento Software Livre (principalmente iniciantes). Pedi ao Ivan que corrijas esta fala dele que distorceu totalmente os fatos e remete ao contrário do proposto para que não seja promovida uma falsa interpretação dos fatos.

    • Interessante saber que foi você. Eu já desconfiava.

      Da parte da sua palestra ser ou não pra iniciantes, até dá pra perceber que foi algum mal entendido, mas interromper a palestra de outros? Sério?

      Da parte de exigir formatos livre, o Stallman também faz isso e entendo o ponto de vista dele. Mas ele é o Stallman. Ele criou toda a fundamentação das 4 liberdades que mostram que um software é livre ou não, criou o GNU, criou a GPL e fez realmente software. Stallman é monstro. E exige formatos livres.

      A parte de exigir você já fez. Só falta o resto.

    • Qual seria o certo a se falar? Já que GNU, GNU/Linux ou qualquer outra coisa é o sistema operacional, não um editor de vídeo, imagina o quanto seria chato ter que falar toda vez que é o editor de vídeos tal, rodando no sistema operacional tal, kernel tal, conjunto de ferramentas tal…

      Pedir para que o vídeo também seja disponibilizado em algum formato livre, para que pessoas que não queiram usar algum software privativo possam vê-lo é louvável, exigir restringe muito o público, sendo que seria uma divulgação em outro meio, ao qual quem defende e usa apenas software livre não iria atingir.

  4. julio lira disse:

    Amigo vou aqui te mandar o link do libreflix (uma ferramenta livre) onde tem um documentário que humildemente te indico Aqui.
    É vamos lá… deduzo que vc saiba incorporar seus próprios vídeos na tag video do html5, mas vamos as ferramentas, notei no vídeo que você mesmo citou diaspora… que corre de salto respondendo quase todas as suas perguntas… então fica a dica, você pode apenas ler fazer isso e apagar meu comentário… mas passar a ser livre, e incentivar mais e mais. Lembrando que é melhor não usar nada a usar uma ferramenta privada, e essa questão de algo que você se pode upar seus vídeos sem ser por meio de site próprio nao encontrei… mas vc mesmo deve saber que se eu pesquisar mais encontrarei algo correspondente. dsclp aí minhas tretas ou algo q pareceu.

    • tecnolog disse:

      Julio, eu pedi ferramentas a altura, libreflix está a muitos anos luz de um netflix em seu “cardápio”, em tecnologia, preciso testar mais em links de baixa qualidade.

      Diaspora também não dá para considerar uma ferramenta equivalente, falta gente nela(o principal de uma rede social) e suas interfaces são confusas. Tenho conta por lá já tem um tempo, e ao tentar entrar novamente hoje vejo que minhas postagens lá simplesmente desapareceram, sem uma explicação.

      Discordo veementemente sobre o discurso de é melhor não usar nada do que usar uma ferramenta privada. É melhor usar ferramentas privadas e chegar nas pessoas do que não usar nada e não chegar nas pessoas.

      E pode continuar procurando alternativa ao Youtube, eu pesquiso isso pelo menos uma vez por mês e nunca acho nada a altura.

    • Jerônimo Medina Madruga disse:

      Julio, lamento te informar, mas o libreflix chama os vídeos através do youtube. Se tu está recomendando o pessoal a usar o libreflix no lugar do youtube, tu está na realidade fazendo a mesma coisa. Podes fazer isso analizando o código html através do inspect do teu navegador ou similares, ou só notando que carrega o logo do youtube ao carregar o vídeo.

      A grande realidade que para realizar streaming de vídeo precisa de uma larga banda e larga capacidade de armazenamento, e nenhum projeto gratutio conta com isso. Tu poderia ter citado o mediagoblin, mas não sei o estado atual dele, e novamente, o problema é o custo final da solução. Acho interessante substituir o máximo possível das soluções tecnológicas por software livre ou de código aberto (sim, eu pessoalmente não tenho nada contra o código aberto, muito usei BSD até), mas ser xiita e se iludir com soluções que não tem como se sustentar financeiramente é algo que já não faz parte das minhas opções a tempos.

      E parabéns ao Helio pela resposta pragmática.

  5. Robson Dias disse:

    Ivan, eu compartilho de sua visão, sempre dei preferência ao software livre desde que o mesmo ofereça qualidade equivalente.
    Sempre me pergunto até onde vai o extremismo de pessoal. Não consigo acreditar até que o próprio Stallman nega-se a fazer uma ressonância por ter o firmware e o software de análise é proprietário ou viajar só por via terrestre, pois o os radares e o software das aeronaves são fechados.

  6. Regis Tomkiel disse:

    Olá pessoal, eu sou o palestrante da “Linux para Filmmakers” e quero ponderar algumas coisas.
    Como pude conversar com o Dausacker no evento, deixando claro que é injusta a maneira como ele enfatizou a questão de que não é o Kernel o editor, faz parecer que tenho sérios problemas cognitivos. Eu expliquei várias vezes que por escolha minha, quando quero me referir à plataforma, eu escolho dizer apenas Linux, como maneira de simplificar. Quando quero me referir ao sistema operacional ou distros, busco sempre usar o GNU. Expliquei várias vezes…
    Outra, como o pessoal que participou da palestra pode perceber, o foco era para iniciantes e que quis demonstrar que é possível sair da zona de conforto, testando as soluções nativas do sistema do pinguim.
    O diálogo estabelecido na palestra não me incomodou, tanto que mantive contato com o Dausacker. Eu sou um defensor do código aberto, da liberdade e mais do que tudo, da democratização do acesso às qualquer meio de conhecimento. Não tem como isso acontecer com software proprietário…. Voltando, pode ser que não foi o momento ideal, mas sempre me manterei aberto para diálogo.

    Sobre as outras questões, não devo opinar. Contudo, creio que se gasta mais energia entre discussões dos 10 usuários de GNU/Linux, que em projetos de divulgação para utilizadores de soluções proprietárias que desconhecem as vantagens ou desvantagens de uma distribuição, seja ela Kernel Linux, GNU/Hurd, BSD ou o que for. Enquanto nós, que somos gatos pingados não trabalharmos juntos, sempre seremos gatos pingados mesmo….

Deixe seu comentário

Website